23 de ago de 2009

SER MULHER É PARTICIPAR DOS MOVIMENTOS SOCIAIS LIDERADOS POR MULHERES

Segundo o filólogo Aurélio Buarque de Holanda, “latifundiário” é o dono de um latifúndio e “latifúndio” é uma propriedade rural de grande extensão, especialmente a que tem grande proporção de terras não cultivadas.

O sítio http://www.camara.gov.br/ traz a biografia de Margarida Maria Alves (1943-1983) , Presidente do Sindicato Rural de Alagoa Grande (PB), primeira mulher a ocupar um cargo destes no estado. Com o surgimento do Plano Nacional de Reforma Agrária, os latifundiários intensificaram a violência no campo. No dia 12 de agosto de 1983 pistoleiros mataram Margarida a tiro, na frente de sua casa, diante do marido e dos dois filhos. Margarida Maria Alves em seu último discurso antes de ser morta, declarou “É melhor morrer na luta do que morrer de fome”.

A sua declaração expressa e explica a motivação para a luta do trabalhador rural brasileiro que optou pela resistência ao latifúndio e à exploração do trabalho. Assim ela viveu, lutou e morreu assassinada a mando de um latifundiário.

Em sua homenagem, é realizada todos os anos no dia 26 de agosto, a Marcha das Margaridas que reúne milhares de trabalhadoras rurais em todo o Brasil.

A Bíblia Sagrada, em Lv. 23. 15-22, descreve a Festa da Colheita em que a apresentação das primícias indicava o começo da colheita e esta festa comemorava o seu fim.

Em meio ao regozijo da festa, os pobres e os estrangeiros não deveriam ser esquecidos. A lei exigia que os latifundiários deixassem para serem colhidos pelos pobres e estrangeiros:
· o mínimo da sexta parte de todo o território cultivado, nos cantos das suas plantações;
· as espigas de cereal que caíssem no solo por ocasião da colheita;
· as espigas extras de cereal que permanecessem nas plantas, mesmo depois da colheita.

Deus se preocupou em criar um Plano Nacional de Reforma Agrária de maneira que ninguém precisasse passar fome em Israel.

Porém, os latifundiários desobedeceram às leis de Deus e, na Bíblia Sagrada, em Rt. 04. 01-17, fala de uma mulher que por força de circunstâncias adversas se transformou em trabalhadora rural preferindo, se fosse necessário, morrer na luta do que morrer de fome.

Em razão da desobediência dos latifundiários, havia fome em Israel quando Elimeleque, Noemi e seus dois filhos Malom e Quiliom saíram de Belém e foram habitar em Moabe.

Na maior parte da sua vida histórica os moabitas foram inimigos declarados dos israelitas e Elimeleque e sua família eram israelitas.

Elimeleque morreu e os seus dois filhos se casaram com duas mulheres moabitas: Rute e Orfa.
Os dois filhos de Noemi também morreram e ela ficou desamparada de seu marido e seus dois filhos.

Noemi ficou sabendo que Deus tinha dado novamente alimento aos israelitas. Se levantou com suas noras, saiu de Moabe e voltou a Belém.

No caminho, Noemi sugeriu que Rute e Orfa voltassem para a casa de suas mães e que encontrassem um outro marido.

Orfa aceitou a sugestão, mas Rute resolveu acompanhar Noemi até Belém. Chegando a Belém, Noemi percebeu que era o princípio da colheita de cevada e poderia conseguir alimento para elas, já que um latifundiário não deveria limpar de modo absoluto o seu campo plantado, mas deixar algum cereal para ser colhido pelos pobres e estrangeiros.

Rute trabalhou até a tarde, levou o que tinha colhido para a cidade, tirou o que era seu e deu o que sobrou a Noemi.

A luta de Margarida Maria Alves, como trabalhadora rural, foi legítima para que ela e sua família não morressem de fome.

A luta de Rute, como trabalhadora rural, foi legítima para que ela e Noemi não morressem de fome.

Como reconhecimento de sua luta, Margarida Maria Alves tem um movimento social com o seu nome Marcha das Margaridas.

Como reconhecimento de sua luta, Rute foi mãe de Obede, que foi pai de Jessé, que foi pai de Davi, que foi o maior rei de Israel e faz parte da genealogia de Jesus Cristo.