1 de mar de 2010

MULHER, NEGRA E PASTORA É PROIBIDA DE MINISTRAR EM IGREJA POR VESTIR UM TERNINHO DE CALÇA COMPRIDA

Tenho sido muito cobrada pelos seguidores e pelas seguidoras do meu blog por não tê-lo aberto para comentários e por não compartilhar as alegrias e as tristezas de ser mulher, negra e pastora.
Entendo que devo uma explicação aos leitores e as leitoras dos posts que tem sido a minha motivação nesta árdua luta como discípula de Jesus Cristo por conscientizarmos os cristãos e as cristãs da necessidade de sermos a ponta de lança na sociedade em geral, para que vivamos o efeito igualador do evangelho conquistado na cruz do calvário por Jesus Cristo.
Em relação aos comentários, a visão que Deus nos deu para quando pudermos abri-lo para os seguidores e para as seguidoras é de que não devamos simplesmente responder a cada sugestão, crítica e/ou reclamação, emitindo a nossa opinião pessoal e sim dar toda resposta de acordo com a Bíblia Sagrada, considerando que o objetivo principal do nosso blog é mostrarmos o que é ser mulher de acordo com a Palavra de Deus.
Como estamos fazendo um curso de pós-graduação em Teologia e, escrevendo este ano, a segunda das monografias do curso, que exige de seus estudantes, a defesa de dez teses diferentes; não tem sobrado tempo até para postarmos no blog com a freqüência que desejaríamos e conseqüentemente para darmos as respostas conforme a visão que o Senhor nos revelou.
Em relação as alegrias e as tristezas de ser mulher, negra e pastora a visão de Deus foi para que compartilhássemos através da criação de uma página no twitter, a fim de que, através de nosso testemunho, pudéssemos ser instrumento de Deus para a cura, a libertação e a restauração de mulheres na sociedade em geral e, pelos mesmos motivos citados no parágrafo anterior, não temos condições de criá-la este ano.
No entanto, levando-se em consideração que quando Deus libera uma palavra profética para os seus discípulos e para as suas discípulas, o primeiro sinal de que a mesma se cumprirá é fazer com que esse discípulo e essa discípula viva esta palavra profética, não posso deixar de compartilhar com os nossos seguidores e com as nossas seguidoras o primeiro sinal que Deus nos deu de que cumprirá as quatro promessas que ELE fez às mulheres para 2010.
A palavra profética liberada por Deus para as mulheres, no dia 16 de janeiro de 2010 foi: PELO FIM DA OPRESSÃO ÀS MULHERES NAS IGREJAS EM GERAL.
O primeiro sinal que Deus nos deu aconteceu exatamente oito dias depois, no dia 24 de janeiro de 2010 e se desenvolveu da seguinte forma, na minha igreja:
• após a Escola Bíblica Dominical, fui procurada pelo pastor que faz a escala de pregadores em cultos públicos, que me indagou se tinha algum compromisso para o culto das 17h;
• diante de minha negativa, perguntou-me se poderia pregar no referido culto, sem fazer nenhuma ressalva, e disse-lhe que Deus tinha me chamado para ministrar a Palavra de Deus e aceitava o convite;
• fui para casa agradecendo ao Senhor por ter me escolhido para o SEU ministério, como sempre faço ao ser convidada para ministrar a Palavra de Deus, orei, pedi a Deus a Palavra que ELE tinha para os seus discípulos e as suas discípulas que ELE levaria ao culto das 17h, anotei a Palavra liberada e cheguei a igreja;
• participei de toda liturgia do culto com meu marido ao meu lado até que percebi que o referido pastor tinha chamado o mesmo lá fora e, meu marido voltou passando mal, porque ele não respeitou o meu pastorado, comunicando-o previamente que me proibiria de pregar;
• sem saber o motivo do mal estar de meu marido, perguntei-o se gostaria que orasse por ele. Peguei o óleo da unção, o ungi e o mesmo foi curado por Deus, continuando a participação na liturgia do culto normalmente;
• até que se iniciou o momento de Ação de Graças, Louvor e Adoração a Deus, que precede a ministração da Palavra de Deus e, assim que começou a última música, o referido pastor me chamou lá fora e me comunicou que não me deixaria ministrar a Palavra de Deus porque eu estava vestida com um terninho de calça comprida e mangas compridas, com uma blusa rosa com colete clerical;
• ao ser exposta a opressão de forma direta, através do exercício exagerado de poder, provocada pelo referido pastor; até porque no domingo anterior ministrei a Palavra de Deus com uma calça comprida marrom e uma blusa listrada marrom e bege; simplesmente respondi que estava tudo bem, pois Deus já tinha liberado através da minha vida a palavra profética para as mulheres, em 2010, com a garantia de quatro promessas que, agora mais do que nunca, tinha certeza que viveríamos.
É importante relatar que na referida igreja não se impõe nenhuma condição em relação a vestimenta para que os homens e as mulheres participem de reuniões, de assembléias, de ensaios, de festas, de confraternizações, da liturgia dos cultos públicos na nave do templo, etc.
Porém, as mulheres são proibidas de ocuparem o púlpito, de cantarem nos corais, de tocarem na orquestra e de atuarem como diaconisas e missionárias; se estiverem vestidas de calça comprida e sem mangas.
É interessante notar que para ocupar o púlpito, para cantar nos corais, para tocar na orquestra, para atuarem como diáconos, presbíteros, evangelistas e pastores; a ordem do referido pastor é que os homens vistam terno e gravata, no entanto, inclusive neste culto das 17h, em que fui impedida de ministrar a Palavra de Deus por não usar a vestimenta adequada, segundo o referido pastor; os homens ocuparam o púlpito sem terno e gravata e não foram impedidos por ele de ministrarem a Palavra de Deus.
A prova de que esta manifestação explícita de opressão na igreja, de forma direta, através do exercício exagerado de poder não me atingiu é que, mesmo sabendo que meu marido estava curado, pois a oração dos justos e das justas pode muito em seus efeitos; Deus me incomodou para que o levasse até o hospital.
Ao chegarmos lá, entendemos o porquê do incômodo. Enquanto meu marido era atendido, estava internado também ao lado de sua cama, um jovem acompanhado de sua mamãe, de 19 anos e, inicialmente tive o ímpeto de perguntá-lo porque estava no hospital e Deus me alertou de que deveria esperar que ele se manifestasse.
Não demorou muito e começamos o seguinte diálogo,iniciado pelo jovem:
_ Você é de que igreja?
_ Sou da Assembléia de Deus.
_ E você, de que igreja é?
_ Eu era da igreja mas um pastor começou a me “encher o saco” por causa da minha roupa, do comprimento do meu cabelo, do ritmo das músicas que ouvia, de jogar bola, etc.; então eu saí e me afundei nas drogas.
_ A igreja realmente errou e continua errando muito não só com os jovens mas com todos e todas que cobram dela coerência em relação ao cumprimento da Palavra de Deus.
_ É, não agüentava mais aquela pressão. Cheguei a um ponto que só estava indo a igreja por causa da minha mamãe.
_ Eu queria te pedir perdão em nome da igreja por toda opressão que você sofreu. E quero te dizer que Deus tem um propósito tremendo com a sua vida.
_ É, eu percebi isto o tempo todo que estava no fundo do poço. Deus me livrou de morrer nas mãos de um traficante, várias vezes.
_ Deus quer cumprir o propósito que Ele tem contigo, agora, você precisa querer pois Deus não obriga ninguém a aceitá-lo. Você quer tomar a decisão de aceitar o tratamento de Deus na sua vida?
_ Sim.
_Vai fazer parte deste tratamento você se internar em uma casa de recuperação que utilize a Palavra de Deus, e cumprir os nove meses do programa, topa?
_ Topo. Você sabe de uma casa de recuperação em que eu possa me internar? Eu vou para lá e creio que vou sair de lá curado.
O jovem que antes de dialogarmos não parava quieto na cama, perturbando toda a equipe médica e deixando a mamãe dele estressada, parou para receber a Palavra de Deus. Logo após, manifestou o desejo de dormir, o que não acontecia há dias, tomou a medicação e descansou.
A mamãe dele ficou tão impressionada que manifestou também o desejo de voltar para a igreja, depois de deixarmos claro para ela que a cura de seu filho também dependeria dela entrar em uma campanha específica de oração diária por ele.
Todos os exames feitos pelo meu marido deram negativo, confirmando que ele ficou curado após ter recebido a oração, naquele momento tão doloroso para nós e o nome de Jesus Cristo foi glorificado!
Foi então que percebemos que o Senhor nos levou até aquele hospital porque queria confirmar que quando Deus libera uma palavra profética para os seus discípulos e para as suas discípulas, o primeiro sinal de que a mesma se cumprirá é fazer com que esse discípulo e essa discípula viva esta palavra profética, para que estejam preparados e preparadas para ministrarem a vida das pessoas que ELE enviará para serem curadas, libertas e restauradas.
Após sentir na pele a dor de viver todas as demonstrações de opressão de forma direta e de forma indireta, na Casa de Deus, recebi o bálsamo do Senhor nas semanas subseqüentes em que os convites para ministrar a Palavra de Deus se multiplicaram de uma forma extraordinária, praticamente em todas as denominações, inclusive para organizar uma Celebração de Paz em um Centro de Ensino Médio, em que convidei para ministrar a Palavra de Deus o próprio pastor que me impediu de ministrar na igreja por ter uma vestimenta inadequada e, organizar em outro Centro de Ensino Médio um evento cultural de acordo com os princípios da Palavra de Deus.
Em 2010, as promessas de Deus para as mulheres que foram e/ou estão sendo oprimidas por homens e mulheres, nas igrejas em geral, são:
1. Deus está vendo com os seus próprios olhos, cada uma das opressões de que as mulheres de Deus têm sido vítimas na Casa de Deus;
2. Deus defenderá cada mulher de Deus contra todas as opressões de que têm sido vítimas na Casa de Deus;
3. Deus nunca mais permitirá que os opressores e as opressoras, que têm agido na Casa de Deus, passem por cima das mulheres de Deus;
4. Deus restaurará em dobro tudo que foi perdido por cada mulher de Deus, pela opressão sofrida na Casa de Deus.
Tome posse destas promessas e creia que Deus cumprirá cada uma delas em sua vida, EM NOME DE JESUS CRISTO!


16 de jan de 2010

PELO FIM DA OPRESSÃO ÀS MULHERES NAS IGREJAS EM GERAL

Como pastora conferencista, palestrante e pregadora da Palavra de Deus, comprometida com a responsabilidade de conscientizar os cristãos e as cristãs da necessidade de vivermos o efeito igualador do evangelho, garantido por Jesus Cristo na cruz do calvário; sempre fico em oração nos últimos quinze dias do ano que termina e nos primeiros quinze dias do novo ano, pedindo a Deus uma palavra profética que possa fazer a diferença na vida de homens e de mulheres que decidiram colocar Jesus Cristo em primeiro lugar nas suas vidas.

A palavra profética que Deus me deu em 2009 foi “AS MULHERES CRISTÃS QUEREM VIVER O EFEITO IGUALADOR DO EVANGELHO”. Avaliando o alcance dessa palavra profética nas conferências, palestras, pregações, etc.; realizadas em congressos, seminários, confraternizações, acampamentos, colóquios, orkut, afrokut, blog, etc.; pudemos ver Deus agindo na vida de homens e de mulheres que foram impactados e impactadas, muitas das vezes depois de se indignarem, de criticarem e de julgarem, mas foram convencidos e convencidas pelo Espírito Santo de Deus do pecado, da justiça e do juízo que cometiam, por falta de conhecimento e, puderam renovar as suas mentes, as suas vontades e as suas emoções, submetendo-as única e exclusivamente aos princípios defendidos por Jesus Cristo, na Bíblia Sagrada.

Após trinta dias em oração, a PALAVRA PROFÉTICA que Deus me deu para 2010 é “PELO FIM DA OPRESSÃO ÀS MULHERES NAS IGREJAS EM GERAL”.

Segundo o filólogo Aurélio Buarque de Holanda opressão é o ato ou efeito de oprimir,
exercício exagerado de poder ou de violência sobre indivíduos ou grupos, tirania, dificuldade de respirar, sufocação e oprimir é sobrecarregar com peso, apertar, comprimir, afligir, tiranizar, humilhar, vexar, causar opressão.

Infelizmente, contrariando os princípios defendidos por Jesus Cristo, ao longo de dois mil e nove anos, temos visto nas igrejas em geral, as mulheres sendo expostas a todo tipo de opressão, provocadas por homens de Deus e por mulheres de Deus.

As opressões em geral se manifestam de forma direta e/ou de forma indireta.

As opressões de forma direta são caracterizadas pelo(a):

  • ato de oprimir;
  • exercício exagerado de poder;
  • violência sobre indivíduos.

Podemos perceber as opressões de forma direta, através do ato de oprimir, quando existe a proibição de que as mulheres:

  • entrem nas assembléias das convenções de suas denominações;
  • assistam as assembléias das convenções de suas denominações;
  • tenham o direito de voz e de voto nas assembléias das convenções de suas denominações;
  • Se filiem as convenções de suas denominações;
  • ocupem o púlpito e só dirijam as reuniões do círculo de oração, da união feminina, da assistência social, etc.; em “mesinhas” colocadas embaixo do púlpito;
  • sejam ordenadas a pastoras, evangelistas, presbíteras e diaconisas;
  • dirijam igrejas;
  • dirijam cultos públicos;
  • se candidatem aos cargos de presidente e vice-presidente da igreja;
  • dirijam institutos, seminários, faculdades, universidades bíblicos;
  • doutrinem, ensinem e preguem em cultos públicos, etc.

Podemos perceber as opressões de forma direta, nas igrejas que já avançaram um pouco, através do exercício exagerado de poder, quando existe a proibição de que as mulheres:

  • ocupem o púlpito de calça comprida e sem mangas e, ao homem é facultado ocupar o púlpito com o traje que escolher;
  • cantem no coral de calça comprida e sem mangas e, ao homem é facultado cantar com o traje que escolher;
  • toquem instrumentos musicais na orquestra, de calça comprida e sem mangas e, ao homem é facultado tocar com o traje que escolher;
  • atuem como diaconisas, presbíteras, evangelistas e pastoras, de calça comprida e sem mangas e, ao homem é facultado atuar nos mesmos cargos com o traje que escolher, etc.

Podemos perceber as opressões de forma direta, nas igrejas que já avançaram um pouco, através da violência sobre indivíduos, quando determinadas mulheres que sugerem, criticam e questionam são proibidas de:

· serem ordenadas a pastoras, evangelistas, presbíteras e diaconisas e as demais mulheres que se calam, se conformam e se resignam são ordenadas;

· dirigirem igrejas e as demais mulheres que se calam, se conformam e se resignam são enviadas para dirigir;

· dirigirem cultos públicos e as demais mulheres que se calam, se conformam e se resignam são designadas para dirigir;

· se candidatarem aos cargos de presidente e vice-presidente da igreja e as demais mulheres que se calam, se conformam e se resignam são indicadas para concorrerem aos mesmos;

· dirigirem institutos, seminários, faculdades, universidades bíblicos e as demais mulheres que se calam, se conformam e se resignam são convidadas para dirigi-los;

· doutrinarem, ensinarem e pregarem em cultos públicos e as demais mulheres que se calam, se conformam e se resignam são escaladas para doutrinar, ensinar e pregar nos referidos cultos, etc.

As opressões de forma indireta são caracterizadas pelo(a):

  • efeito de oprimir;
  • violência sobre grupos;
  • sobrecarga com peso.

Podemos perceber as opressões de forma indireta, através do efeito de oprimir, quando as mulheres sem mais suportar a opressão na igreja:

  • desistem de sugerir, criticar e questionar;
  • se calam, se conformam e se resignam;
  • desistem do exercício de seus ministérios;
  • adoecem acometidas de enfermidades como estresse, depressão, síndrome do pânico, etc.

Podemos perceber as opressões de forma indireta, através da violência sobre grupos, quando aos poucos departamentos da igreja liderados por mulheres:

  • são negadas verbas para investimento e as mulheres precisam gerar recursos através de bazares, festas, cantinas, etc.; enquanto que nos departamentos liderados por homens as verbas são liberadas com presteza;
  • há o corte de verbas, tendo as mulheres de complementá-las com bazares, festas, cantinas, etc.; enquanto que nos departamentos liderados por homens o corte não acontece;
  • são exigidos o cumprimento de metas difíceis de serem alcançadas enquanto que nos departamentos liderados por homens, as metas exigidas são factíveis;
  • são os únicos departamentos em que as mulheres podem doutrinar, ensinar e pregar, etc.

Podemos perceber as opressões de forma indireta, através da sobrecarga com peso, quando se exige das poucas mulheres que ocupam cargos na igreja:

  • entrarem e assistirem as assembléias das convenções de suas denominações, porém sem direito a se filiarem e sem direito a voz e ao voto;
  • terem o direito de se candidatarem apenas aos cargos de secretária e/ou tesoureira, na diretoria da igreja;
  • executarem as funções de pastora, evangelista, presbítera e diaconisa, no entanto, sendo proibidas de receberem esses títulos e recebendo o título de missionárias;
  • um desempenho acima do desempenho exigido dos homens que também ocupam e/ou ocuparam o mesmo cargo;
  • uma dedicação de tempo integral, sem remuneração, quando aos homens que ocupam e/ou ocuparam o mesmo cargo não se exige e/ou exigia essa dedicação e os mesmos eram remunerados para o exercício do cargo;
  • entregarem o cargo, muitas das vezes por telefone, sem nenhuma justificativa plausível quando aos homens, normalmente existe uma reunião formal para que se dê a entrega do cargo, além de, ao mesmo tempo, elevá-lo a um outro cargo, de preferência superior ao que está deixando;
  • exercerem o seu ministério em parceria com o marido, realizando as mesmas funções que ele e, o marido recebe o título de pastor, evangelista, presbítero e diácono e a mulher é proibida de recebê-los, além de o marido ser remunerado e a mulher não, etc.

Na Bíblia Sagrada, em Zc. 9. 8, 12, Deus faz uma promessa de proteção para Judá, enquanto seus vizinhos estiverem nas garras dos opressores e das opressoras (14): “Defenderei a minha casa contra os invasores e as invasoras. Nunca mais um opressor ou uma opressora passará por cima do meu povo, porque agora eu vejo isso com os meus próprios olhos. Voltem à sua fortaleza, ó prisioneiros, ó prisioneiras da esperança; pois hoje restaurarei tudo em dobro para vocês”.

Em 2010, as promessas de Deus para as mulheres que foram e/ou estão sendo oprimidas por homens e mulheres, nas igrejas em geral, são:

  1. Deus está vendo com os seus próprios olhos, cada uma das opressões de que as mulheres de Deus têm sido vítimas na Casa de Deus;
  2. Deus defenderá cada mulher de Deus contra todas as opressões de que têm sido vítimas na Casa de Deus;
  3. Deus nunca mais permitirá que os opressores e as opressoras, que têm agido na Casa de Deus, passem por cima das mulheres de Deus;
  4. Deus restaurará em dobro tudo que foi perdido por cada mulher de Deus, pela opressão sofrida na Casa de Deus.

Mas, para que você mulher, viva essas promessas em sua vida, a partir do ano de 2010, precisa tomar alguns posicionamentos:

    • colocar realmente Deus, Jesus Cristo e o Espírito Santo em primeiro lugar na sua vida;
    • admitir que você está sendo oprimida;
    • identificar que tipo de opressão você está sofrendo;
    • ter a coragem de jejuar, orar e pesquisar a Palavra de Deus para descobrir tudo que Deus, Jesus Cristo e o Espírito Santo dizem contra a opressão;
    • ir a Casa de Deus com o compromisso de não olhar para os opressores e as opressoras e sim para Deus, para Jesus Cristo e para o Espírito Santo;
    • voltar a Casa de Deus, como prisioneira da esperança de que, o que diz a Palavra de Deus contra a opressão prevalecerá, EM NOME DE JESUS!