9 de mar de 2015

MULHERES PROTESTANTES, FOI PARA A LIBERDADE QUE JESUS CRISTO NOS LIBERTOU!


HOJE É O DIA INTERNACIONAL DA MULHER!

08/03/2015

HOMENAGEAMOS A DEUS COM AÇÃO DE GRAÇAS pelas igrejas dos protestantismos histórico, pentecostal e neopentecostal que começaram a ceder a luta das mulheres protestantes denunciando a forma como oprimem as mulheres (Cl. 2. 18 – 23) , em que a opressão se manifesta através da:
• obrigação de só usar vestidos e/ou saias longas que não mostrassem os tornozelos;
• obrigação de só usar vestidos e/ou blusas de mangas compridas que não mostrassem o “ossinho” do pulso;
• obrigação de usar anágua por baixo das saias e/ou combinação por baixo dos vestidos;
• obrigação de só usar sapatos fechados;
• obrigação de só usar meias grossas;
• proibição da prática de esportes;
• proibição da prática do lazer;
• proibição de depilar as axilas e as pernas;
• proibição do uso de sabonetes, desodorantes, perfumes;
• proibição de pintar as unhas das mãos e dos pés;
• proibição de usar maquiagem;
• proibição do uso de roupas da moda;
• proibição de cortar o cabelo;
• proibição do uso de jóias;
• proibição de acessórios, etc.
HOMENAGEAMOS A DEUS COM LOUVOR pelas igrejas dos protestantismos histórico, pentecostal e neopentecostal que, apesar das mulheres continuarem sendo oprimidas por essas “doutrinas de mulheres e de homens”, algumas igrejas também já cederam em alguns pontos, a luta das mulheres protestantes denunciando a forma como oprimem as mulheres (I Pe. 5. 1 – 4), promoveram alguma abertura, porém ainda acontecem aberrações como:
• a proibição de que a mulher protestante cante, ore, toque, leia a Palavra de Deus, etc., no púlpito da igreja, de calça comprida, quando pode assistir ao culto na nave do templo, usando esse mesmo traje;
• a proibição de que a mulher protestante cante nos corais e toquem na orquestra da igreja de calça comprida, sendo que podem prestar esse mesmo serviço para Deus na nave do templo, com o mesmo traje;
• a proibição de que as mulheres protestantes se depilem com cera “por ser pecado”, mas podendo se depilar com gilete “por não ser pecado”;
• a proibição de os diáconos servirem a Ceia do Senhor a mulheres protestantes de calça comprida, quando às mesmas é permitido assistir ao culto com esse traje;
• a proibição de que uma pastora ministre a Palavra de Deus por estar com um terninho de calça comprida;
• a proibição de que uma mulher protestante ocupe um determinado cargo na igreja por usar calça comprida, por usar vestidos e blusas sem manga, por ter cortado o cabelo, por usar jóias, por pintar as unhas das mãos e dos pés, por usar batom, etc., quando é permitido a essa mesma mulher assistir aos cultos, na nave do templo, usando esse mesmo traje e apetrechos, etc.
HOMENAGEAMOS A DEUS COM ADORAÇÃO pelas igrejas dos protestantismos histórico, pentecostal e neopentecostal que cederam a luta das mulheres protestantes denunciando a forma como oprimiam as mulheres e, essas mulheres, já vivem o efeito igualador do Evangelho do Reino de Deus, por terem os mesmos direitos que os homens sempre tiveram na igreja (Gl. 3.23 - 29), tais como:
• se filiarem as convenções, concílios, confederações, federações, conselhos, etc., de igrejas e de pastoras e pastores;
• serem ordenadas diaconisas, presbíteras, evangelistas, pastoras, bispas, apóstolas, etc.;
• ministrarem a Palavra de Deus como pregadoras, palestrantes e conferencistas em cultos públicos, congressos, seminários, etc.;
• decidirem com que roupa, sapato, jóias, maquiagem, acessórios, perfume, etc., vai a igreja homenagear a Deus com Ação de Graças, Louvor e Adoração, etc.;
• ocuparem cargos de presidenta, vice-presidenta, secretária, tesoureira, conselho fiscal, nas diretorias das igrejas, etc.;
• ocuparem cargos nos departamentos das igrejas, tais como: líderes da diaconia, do presbitério, do evangelismo, do pastorado, do episcopado, etc.;
• presidirem igrejas;
• dirigirem congregações;
• se candidatarem a cargos nas convenções, concílios, confederações, federações, conselhos, etc., de igrejas e de pastoras e pastores;
• ministrarem Casamentos, Ceia do Senhor, Batismos, etc.

No Dia Internacional da Mulher HOMENAGEAMOS A DEUS COM AÇÃO DE GRAÇAS, LOUVOR E ADORAÇÃO porque já li a Bíblia Sagrada várias vezes com o foco nas mulheres e, nem no Antigo Testamento nem no Novo Testamento encontrei alguma fundamentação teórica ou fundamentação bíblica, que justificassem a opressão a que estavam, estão e estarão submetidas as mulheres dos protestantismos histórico, pentecostal e neopentecostal, se elas continuarem se dobrando a um jugo de escravidão imposto por “doutrinas de mulheres e de homens” (Gl. 4.1).

(Profª. e Prª. Wall – Waldicéia de Moraes Teixeira da Silva)

28 de jul de 2013

CONFERÊNCIA LIVRE DAS NEGRAS E DOS NEGROS PROTESTANTES PELA IGUALDADE RACIAL


III Conferência Distrital de Promoção da Igualdade Racial
CONFERÊNCIA LIVRE
As Negras e os Negros Protestantes
CONVOCAÇÃO
A Aliança de Negras e Negros Evangélicos do Brasil no Distrito Federal (ANNEB-DF) convoca a todas e a todos dos protestantismos histórico, pentecostal e neopentecostal, independentemente da etnia ou da cor da pele, para a CONFERÊNCIA LIVRE com o tema central: DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO SEM RACISMO: POR UMA IGREJA PROTESTANTE AFIRMATIVA PARA AS NEGRAS E OS NEGROS, com o objetivo de conhecermos:
• a luta pela igualdade racial de negras protestantes (Toni Morrison, Leymah Roberta Gbowee e Ellen Johnson-Sirleaf) e de negros protestantes (William Joseph Seymour, Martin Luther King e Nelson Mandela);
• as pesquisas que comprovam a maioria das negras e dos negros do Brasil como fiéis da religião protestante;
• a presença de negras e de negros no ofício sacerdotal dos protestantismos histórico, pentecostal e neopentecostal;
• a presença das manifestações culturais de raiz africana nos momentos de Ações de Graça, Louvor e Adoração a Deus;
• as questões de desrespeito às negras e aos negros que são fiéis de outras religiões, principalmente às religiões de matriz africana;
• as propostas de negras e negros protestantes para a III Conferência Distrital de Promoção da Igualdade Racial e para a III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

A CONFERÊNCIA LIVRE DAS NEGRAS E DOS NEGROS PROTESTANTES acontecerá no:
Dia: 09/08/2013 (sexta-feira)
Hora: 18h às 21h
Local: Auditório da Casa da Cultura da América Latina (CAL-UnB), Edifício Anápolis, Setor Comercial Sul, em frente ao Posto Policial, Brasília, Distrito Federal.
Rivanilson da Silva Alves (RIVAS MC)
Vice-Presidente da Aliança de Negras e Negros Evangélicos do Brasil no Distrito Federal (ANNEB-DF)

21 de jul de 2013

UM HOMEM DE DEUS QUE ENXERGA AS MULHERES COMO DEUS ENXERGA!



NÓS, MULHERES DA ASSEMBLÉIA DE DEUS UM NOVO DIA (ADUND) PERDEMOS UM HOMEM DE DEUS QUE ENXERGAVA AS MULHERES COMO DEUS ENXERGAVA.
NESTE MOMENTO DE PREPARAÇÃO PARA AS ELEIÇÕES DE UM NOVO PASTOR-PRESIDENTE, QUE VAI ACONTECER NO DIA 1º/09/2013, PRECISAMOS REFLETIR MUITO EM QUEM VAMOS VOTAR, POIS SABEMOS MUITO BEM QUE PASTORES AO LONGO DESSES ANOS TEM OPRIMIDO AS MULHERES COM PROIBIÇÕES ABSURDAS COMO: NÃO SUBIR AO PÚLPITO DE CALÇA COMPRIDA, NÃO MINISTRAR NOS CULTOS PÚBLICOS, NÃO DIRIGIR CULTOS PÚBLICOS, NÃO TER UM DEPARTAMENTO DE MULHERES, NÃO TER CULTO DE MULHERES, ETC.

NÓS TEMOS EM NOSSA IGREJA UM PASTOR QUE ENXERGA AS MULHERES COMO DEUS ENXERGA E JÁ PROVOU ISTO QUANDO CORREU TODOS OS RISCOS NA CONVENÇÃO EVANGÉLICA DAS ASSEMBLÉIAS DE DEUS DO DISTRITO FEDERAL (CEADDIF), AO REDIGIR, APRESENTAR E DEFENDER A RESOLUÇÃO QUE PERMITE A ORDENAÇÃO DE MULHERES A EVANGELISTAS E PASTORAS.

ESSE PASTOR É O MEU MARIDÃO, PASTOR WILSON BARBOZA DA SILVA, QUE FOI DIRECIONADO POR DEUS A SE CANDIDATAR A VICE-PRESIDENTE ECLESIÁSTICO DA ASSEMBLÉIA DE DEUS UM NOVO DIA, SE COMPROMETENDO A CONTINUAR NA LUTA, TANTO NA ADUND COMO NA CEADDIF PELO EFEITO IGUALADOR DO EVANGELHO DEFENDIDO POR PAULO EM EFÉSIOS 3. 28, QUANDO AFIRMA QUE "DEPOIS QUE CRISTO VEIO NÃO HÁ GREGO NEM JUDEU, NÃO HÁ ESCRAVO NEM LIBERTO, NÃO HOMEM NEM MULHER POIS SOMOS UM EM CRISTO JESUS".

PARA TANTO PEÇO AS ORAÇÕES DE TODAS E TODOS E OS VOTOS NO PASTOR WILSON BARBOZA DA SILVA, PARA PASTOR ECLESIÁSTICO DA ASSEMBLÉIA DE DEUS UM NOVO DIA E, ENCAMINHO A CARTA REDIGIDA POR ELE:


Brasília, 30 de junho de 2013,

“Todo sumo sacerdote, tomado dentre os homens, é constituído a favor dos homens nas coisas concernentes a Deus para que possa compadecer-se ternamente dos ignorantes e errados, pois também ele mesmo está rodeado de fraquezas.” (Hb 5.1a,2a)
Prezadas Irmãs e Prezados Irmãos, caros e Jesus,

Cumprimentando-os com a Paz do Senhor, escrevo-lhes para expor, e depois solicitar, pontos importantes que estão no meu coração e que, de então, já merecem ser objetos de compartilhamento e de sábia reflexão. Primeiramente gostaria de agradecer a manifestação de apoio a meu nome de alguns que me entenderam um candidato à sucessão do meu amigo Sóstenes Apolos da Silva, de indelével memória, recolhido à Igreja Triunfante, porque aprouve a Deus. Considerando a maiúscula expressão local, nacional e transcultural daquela personalidade e o peso do encargo, seria um desafio, o maior de minha vida, somado a uma tarefa complicada de passar em pouco tempo da condição de servidor público de carreira para a de pastor de um rebanho grande, arquiepiscopal e formoso como vocês são. Após orar muito e muito pensar, entendi de não receber a responsabilidade, registrando, porém, a honra que alguns me deram, lembrando de mim nas condições em que essa menção aqui e ali se deu.
Quaisquer que sejam os candidatos, entendo que terão de dar-se o sigilo sobre manter o colegiado de Vice-Presidentes ou reformá-lo. Não poderão antecipar este tema ao povo. O único que escapa deste perfil é o Pastor Hadmann Daniel, que, vindo a ser Presidente, fará vagar uma Vice-Presidência, tendo ela de ser preenchida. Todas as demais mudanças seriam apenas possíveis, sujeitas a juízo de conveniência. A mudança na Vice-Presidência Eclesiástica, esta seria possível e obrigatória, no caso do Pastor Daniel, mas não no caso dos demais postulantes.
Muitas coisas me aproximam desse candidato. Posso citar quatro, sem qualquer contradição e sem prejuízo de muitos outras características comuns que sobrecarregariam, se declinadas, esta redação epistolar:
a) Gostamos e primamos vitalmente pelo aporte bíblico em nossas considerações de púlpito e coloquiais, avulsas, e repudiamos heresias, ainda que ganhem vulto no senso comum.
b) Em segundo, temos apego à área cultural. Ambos militamos no campo artístico, o que é relevante no trato com autoridades civis e com a sociedade circunvizinha.
c) A terceira: a preocupação com os jovens, segmento em que temos sido bem-vindos e pelo qual transitamos sem qualquer refração por parte dos menos vividos.
d) Finalmente, a preocupação com a manutenção e ampliação do Ministério Feminino, que parece pauta resolvida e solidificada, mas do qual diria: se não prevemos um revés no âmbito da ADNOVODIA em relação à conquista das mulheres, por que tanto lutamos, ainda precisamos fazer com que o tema se assente melhor na CEADDIF. O trabalho, pois, não terminou, havendo que se honrar, na luta, o nome de nosso mais recente antepassado (fica incluído neste ponto da reflexão que não sonho com a diminuição do papel que a ADNOVODIA exerce de líder inconteste junto às coirmãs).
O pastor Daniel foi procurado por mim e recebeu meu apoio a sua candidatura. Apresentei-lhe minha intenção de concorrer a sua sucessão na Vice-Presidência. Não o vi obrigado a responder-me e, de fato, ele não disse que me indicaria nem se indicaria outro. É, pois, de minha responsabilidade apresentar meu nome junto ao de Daniel como se fosse chapa, mesmo porque não estando eu impedido de apresentar meu nome ao Conselho Ministerial, se ele decidir por outra pessoa, eu com essa pessoa concorreria democraticamente. Alem da elegância de não me apoiar em contrapartida, até porque era prematuro e até porque pedi que orasse antes de me falar qualquer coisa – que sim ou que não – , ouvi dele que não faria campanha ostensiva e manteria o fair-play espiritual. Quem o viu na reunião do Conselho de 15 de junho, percebeu sua discrição e coerência com a postura que se propôs apresentar. Deixou-me o colega à vontade, porém, para conversar informalmente sobre o seu nome. É o que estou fazendo.
Pelo exposto, concluo junto àquelas e àqueles que me apóiam que votar no Pastor Daniel, com quem me disponho a trabalhar, é, de alguma forma, manter o apoio a mim. Quanto aos outros candidatos, não entendo em nada de censurá-los, mas não poderia, tendo feito uma aliança com Pastor Daniel, ou mesmo que assim não fosse, pedir – por hipótese – a outrem o seguinte:
- Pastor Sicrano, se o senhor vencer poderia tirar o Vice Fulano e me indicar no lugar deste?
Absurdo, não? É neste ponto que situo minha posição neste momento. Vejam que só com Daniel a conversa seria – e foi – possível porque este, em ascendendo à Presidência, terá de apresentar um Vice sem propor a destituição de ninguém (nem sei se o fará, mas nunca por um pedido meu). Sou, pois, candidato a Vice apenas na hipótese de Daniel ser Presidente. Qualquer outro arranjo com outro candidato, que incluísse minha decisão, seria, pelas circunstâncias, ruim e tão vil que já não mereceria sequer ser pensado, menos ainda conversado.
Enfim, continuo sabendo o que é aliança ou palavra empenhada, continuo leal a todos os meus pares, e muito especialmente ao Pastor Daniel, com quem conversei de coração aberto, só restando uma hipótese – a já explicada aqui – em que eu poderia ser candidato ao cargo que ele ora ocupa.
Orem; conversem com ele; conversem comigo; conversem com os demais candidatos, se quiserem; conversem entre si. Após isto, repassem a mensagem, se entenderem por bem (é claro que não tenho o endereço eletrônico de todos). Façam isto porque a escolha que farão depende de Deus, mas não é Ele quem depositará voto na urna. São vocês, de forma tão espiritual quanto racional. E, porque na democracia, a derrota é suportável; a vitória, desejável e a unanimidade, dispensável, fica evidentemente o meu respeito a quem discordar, em parte ou no todo, do que tratei. Que o Espírito Santo de Deus nos oriente a todos, em tudo, e possibilite a melhor passagem nossa pela grave página que, calma, honrada e fraternalmente, ainda estamos a escrever, na história da Assembléia de Deus Um Novo Dia.
Em Cristo, saudações deste candidato a servo inútil

PASTOR WILSON BARBOZA DA SILVA

8 de mar de 2013

HOJE É O DIA INTERNACIONAL DA MULHER!!!


NÓS MULHERES PROTESTANTES QUEREMOS VIVER O EFEITO IGUALADOR DO EVANGELHO NA SOCIEDADE CIVIL MAIS TAMBÉM NA SOCIEDADE ECLESIÁSTICA!
Aceitamos todas as homenagens vindas das convenções, das igrejas, dos departamentos, dos pastores, da família, dos amigos, etc.
MAIS, como MULHERES PROTESTANTES, LEVANTAMOS AS NOSSAS VOZES PARA PROTESTARMOS CONTRA O FATO DE SERMOS A MAIORIA ABSOLUTA EM TODAS AS IGREJAS, segundo a Fundação Getúlio Vargas, NO ENTANTO CONTINUARMOS SENDO PROIBIDAS, NA MAIORIA ABSOLUTA DAS IGREJAS PROTESTANTES, de nos filiarmos as convenções, concílios, confederações, conselhos, etc., de pastores, PROIBIDAS de sermos ordenadas diaconisas, presbíteras, evangelistas e pastoras, PROIBIDAS de ministrarmos a Palavra de Deus em cultos públicos, congressos, seminários, etc., PROIBIDAS de decidirmos com que roupa, sapato, jóias, maquiagem, perfume, etc., vamos homenagear a Deus com Ação de Graças, Louvor e Adoração, PROIBIDAS de ocuparmos cargos nas diretorias das igrejas, PROIBIDAS de ocuparmos cargos nos departamentos das igrejas, PROIBIDAS de, PROIBIDAS de, PROIBIDAS de, ...

4 de mai de 2012

ALBERICO ANTUNES DE OLIVEIRA ENXERGOU BETTY ANTUNES DE OLIVEIRA COMO PIANISTA, ORGANISTA, MAESTRINA, PROFESSORA, PASTORA, PESQUISADORA, HISTORIADORA, ESCRITORA, JORNALISTA, ...

No Protestantismo Histórico vários homens de Deus valorizaram mulheres de Deus numa época em que a maioria dos homens defendiam e / ou defendem que, na igreja: • as mulheres se reúnem para oração; • praticam a beneficência; • estudam; • promovem reuniões de evangelização; • promovem estudo bíblico nas casas; • cuidam das crianças e das moças, para as quais também foram criadas sociedades; • eventualmente pregam; • se dedicam a outras atividades, em geral, com grande dedicação. (19) A biografia de um desses homens está registrada no sítio da Câmara dos Deputados http://www2.camara.gov.br que relata a história de um homem, Pastor Alberico Antunes de Oliveira, que foi Professor, Jornalista, Advogado, Teólogo, Filósofo e Pastor, no entanto, não impediu sua esposa, Betty Antunes de Oliveira, de exercer o seu ministério e de se posicionar como uma mulher de luta pelo reconhecimento da mulher na Convenção Batista Brasileira. O sítio da 1ª Igreja Batista do Rio de Janeiro http://www.pibrj.org.br registra que Betty Antunes de Oliveira nasceu em 13/05/1919 e em 14/01/1938, na cidade do Rio de Janeiro, casou-se com o Pr. Alberico Antunes de Oliveira, tendo ido então para Manaus, onde seu esposo iria assumir o pastorado da Igreja Batista Local. Betty Antunes de Oliveira passou 50 anos de sua vida no Amazonas atuando na igreja como: • pianista das músicas congregacionais; • organista de quartetos de crianças, adolescentes e jovens; • maestrina de corais femininos e masculinos; • professora de música congregacional nas diversas organizações de Igrejas Batistas e no Conjunto de Igrejas Batistas. Ainda nesses 50 anos, Betty Antunes de Oliveira esteve também atuando na igreja como: • pastora, de meninas e meninos de rua, num bairro pobre da cidade de Manaus, onde, como fruto de seu trabalho evangelístico feito através de cânticos, fora organizada a Igreja Batista de Constantinópolis; • pesquisadora, estudando sobre os primeiros norte-americanos que chegaram ao Brasil no século XIX; • historiadora, concluindo que seus ascendentes norte-americanos haviam organizado, em 1871, a Primeira Igreja Batista do Brasil; • escritora, redigindo o livro “Centelha em Restolho Seco”, uma contribuição para a História dos Primórdios do Trabalho Batista no Brasil; • jornalista, escrevendo a biografia de Antônio Teixeira de Albuquerque, o Primeiro Pastor Batista Brasileiro (1880). Apesar de todo preparo no mundo espiritual e no mundo natural, Betty Antunes de Oliveira, durante todo este período, não teve o reconhecimento da Convenção Batista Brasileira com respeito ao trabalho realizado. O Professor Doutor Alberto Kenji Yamabuchi, da Universidade Metodista de São Paulo analisou o debate sobre as origens do trabalho batista brasileiro, que ocupou o cenário político da Convenção Batista Brasileira entre os anos 1960-1980 e foi protagonizado por duas figuras com representações sociais distintas: de um lado, o Pastor José dos Reis Pereira, Presidente da Convenção Batista Brasileira e do outro, a Professora Betty Antunes de Oliveira, esposa do Pastor Alberico Antunes de Oliveira. A tese do Pastor José dos Reis Pereira era a de que o ano de início do trabalho batista brasileiro era 1882, na cidade de Salvador, BA (19) e a tese da Pesquisadora Betty Antunes de Oliveira era de que os primórdios do trabalho batista no Brasil aconteceu no ano de 1871, na cidade de Santa Bárbara, SP,(18)através da apresentação e da interpretação das fontes e dos documentos históricos levantados pelos dois lados. Segundo o docente, o processo do debate aconteceu da seguinte forma: 1. Em 1960, o Pastor José dos Reis Pereira declarou publicamente, através de O Jornal Batista, que 1982 seria o ano comemorativo do centenário dos batistas brasileiros. 2. Em 1966, a Historiadora Betty Antunes de Oliveira publicou a sua descoberta, através de O Jornal Batista e, portanto, o centenário dos batistas brasileiros deveria ser celebrado em 1971. 3. Em 1969, a Convenção Batista Brasileira decidiu em Assembléia Geral Ordinária pela tese do Pastor José dos Reis Pereira, que foi, a partir daquele ano, considerada a narrativa histórica oficial do início do trabalho dos batistas brasileiros. 4. Em 1982, o centenário dos batistas foi celebrado e, apoiado e patrocinado pela Convenção Batista Brasileira, o Pastor José dos Reis Pereira publicou o seu livro “História dos Batistas no Brasil”, que se constituiu a obra historiográfica oficial do centenário da denominação. 5. Em 1985, a Escritora Betty Antunes de Oliveira, precisou usar recursos próprios e contar com a ajuda de terceiros, inclusive pertencentes a outras tradições de fé, para publicar a sua obra, “Centelha em Restolho Seco”, uma contribuição para a História dos Primórdios do Trabalho Batista no Brasil. 6. Em 2009, a Convenção Batista Brasileira, em Assembléia Geral Ordinária, presidida por uma mulher, a Vice-Presidenta Nancy Gonçalves Dusilek, resolveu repensar a decisão de 1969 e substituiu a tese do Pastor José dos Reis Pereira pela da Jornalista Betty Antunes de Oliveira. O Pastor Alberico Antunes de Oliveira poderia ... • ter mantido Betty Antunes de Oliveira atuando somente como esposa de pastor: aparecendo ao lado dele em cultos, recepções, reuniões, assembléias, etc.; • ter permitido que Betty Antunes de Oliveira se limitasse a administrar o lar sozinha: lavando, passando, cozinhando, arrumando, fazendo tricô, crochê, bordado, costura, cuidando do marido, das filhas, dos filhos, etc.; • ter limitado a atuação de Betty Antunes de Oliveira na igreja como pianista, organista, maestrina e professora de música. No entanto, Alberico Antunes de Oliveira, o marido de Betty Antunes de Oliveira, demonstrou ser um homem de Deus ao enxergá-la como uma mulher capaz de: • pastorear crianças, adolescentes, jovens, mulheres e homens como ministra de música, ministra do Evangelho, etc.; • estudar a origem da denominação que escolheu para servir a Deus; • questionar a tese defendida pelo Presidente da Convenção Batista Brasileira; • publicar um livro em defesa de sua tese, mesmo não contando com o apoio e o patrocínio da Convenção Batista Brasileira; • redigir a biografia do Primeiro Pastor Batista Brasileiro; • resistir na luta pelo reconhecimento de sua tese por 43 (quarenta e três) anos.

1 de mai de 2012

CARTA ABERTA AO PASTOR, DEPUTADO FEDERAL, RONALDO FONSECA


A Paz de Deus, Axé, Shalon!!!

Pr. Dep. Fed. Ronaldo Fonseca,

Acuso o recebimento do convite para REUNIÃO com representantes do GDF, AGEFIS, TERRACAP, bem como o SECRETÁRIO MAGELA e aproveito para solicitar que suas assessoras e seus assessores, ao redigirem qualquer documento, o façam utilizando a linguagem inclusiva, principalmente se for dirigido a pastores.

No Distrito Federal temos uma quantidade enorme de pastoras presidentas de igreja, de pastoras dirigentes de congregação, de pastoras ocupando os espaços de poder nas igrejas, muito embora, INFELIZMENTE, esta não seja a realidade das Assembleias de Deus do Distrito Federal que, em sua esmagadora maioria, insistem em continuar oprimindo as mulheres INVALIDANDO o SACRIFÍCIO DE JESUS CRISTO na cruz do calvário QUE NOS TROUXE A LIBERDADE.

Como a PASTORA WALDICÉIA DE M. T. DA SILVA MINISTROU no Dia Internacional da Mulher, na ABERTURA CONVENÇÃO EVANGÉLICA DAS ASSEMBLÉIAS DE DEUS DO DISTRITO FEDERAL (CEADDIF), e não sabemos por qual motivo o seu sítio não fez nenhuma referência ao fato de pela 1ª VEZ UMA MULHER, NEGRA e PASTORA ministrou na abertura da Convenção Evangélica das Assembleias de Deus do Distrito Federal, "NÓS MULHERES CRISTÃS QUEREMOS VIVER O EFEITO IGUALADOR DO EVANGELHO".

Queremos contar também com a sua parceria, principalmente divulgando os nossos avanços e nos incluindo, desde a linguagem utilizada em suas publicações, passando pela indicação de mulheres para serem ordenadas diaconisas, presbíteras, evangelistas, pastoras e culminando com o envio de mulheres para assumirem cargos de pastoras presidentas de igrejas, pastoras dirigentes de congregação, pastoras pregadoras de congressos, seminários, conferências, pastoras ocupantes de cargos na diretoria de igrejas, etc.

Aproveito o ensejo para solicitar também que toda vez que for feita uma convocação para uma reunião com a PRIMEIRA DAMA do DISTRITO FEDERAL, principalmente se for para tratar de temas que dizem respeito as mulheres, que NÓS MULHERES SEJAMOS AS CONVIDADAS e não os pastores, como aconteceu no diálogo com a Secretaria de Estado da Mulher sobre a VACINA CONTRA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO, em que, não fomos convidadas para participarmos e decidirmos livremente pela adesão ou não ao que estava sendo proposto.

Na esperança de estar atendendo ao seu pedido, durante a campanha, de que legislaria dialogando com o povo e considerando que NÓS MULHERES TAMBÉM FAZEMOS PARTE DESTE POVO, aguardamos ansiosamente a resposta a estas sugestões.

Fique na ...
... Paz de Deus ( A Paz que ninguém consegue entender);
... Axé ( A Força Vital que emana da presença divina, segundo a tradição africana iorubá);
... Shalon ( A Paz que não significa apenas ausência de inimizade, briga e guerra; mas inclui também tranqüilidade, segurança, saúde, prosperidade e bem-estar, no mundo natural e no mundo espiritual; para todas as filhas de Deus e todos os filhos de Deus) ... COLETIVO DE MULHERES DAS ORGANIZAÇÕES RELIGIOSAS E-mail: mulheresorganizacoesreligiosas@gmail.com

30 de mar de 2012

Quebra de paradigma: Dezenas de mulheres são ordenadas PASTORAS


Sáb, 10 de Março de 2012 00:00
Uma Consagração histórica, idealizado na Convenção Evangélica das Assembleias de Deus no Distrito Federal - CEADDIF, órgão que congrega ministros da respectiva organização evangélica, aconteceu neste sábado, 10 de março de 2012, com a presença da Secretária de Estado da Mulher, Olgamir Amancia, onde, pela primeira vez, foram ordenadas cerca de 60 pastoras ao “Santo Ministério” da Igreja evangélica em Taguatinga. Em 100 anos da Igreja Assembleia de Deus, as mulheres não podiam ser consagradas a pastoras.
A Pastora Waldicéia de Moraes Teixeira da Silva agradeceu a presença da Secretária de Estado da Mulher pela recepção nas Conferências ocorridas no final de 2011. A pastora ressaltou ser a única mulher evangélica eleita delegada à Conferência e também revelou que considera que essa ordenação é uma quebra de paradigma. “Como Maria Madalena, Suzana e outras mulheres da bíblia, nunca esperamos ser ordenadas a pastoras para sermos discípulas de Cristo” enfatizou Waldicéia
.Olgamir Amancia, Secretária da Mulher manifestou ser um prazer ouvir e acatar as reivindicações não só de Waldicéia, mas de todas as mulheres. Ela enfatizou que a causa das mulheres é um compromisso do Governador Agnelo Queiroz, pois ele reconhece que as mulheres foram discriminadas e subjugadas por muitos anos.
Para a Secretária “a dominação subjugadora é resultado de uma cultura machista e não está vinculada com a forma como Cristo, Deus ou Espírito Santo nos coloca. Quero registrar que eu penso que essa conversão de mulheres a pastoras é um momento de magnitude, pois materializa aquilo que - não tenho dúvida - é o desejo de Cristo, ou seja, uma sociedade igualitária”, finalizou a Secretária de Estado da Mulher.


Sônia Corrêa e Cirlene Carvalho
Assessoria DE Comunicação (ASCOM) | Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal (SEMDF)